terça-feira, 30 de agosto de 2011

TÉCNICA E TÁTICA DE COMBATE A INCÊNDIO


OBJETIVO

Conhecer o processo de combustão e os efeitos do calor em um incêndio;

Empregar as técnicas adequadas em vazamentos e incêndios em botijões de gás;

Operar extintores de incêndio;

Realizar, dentro da técnica, operações de combate a incêndio com mangueiras e esguichos.
- Definir Combustão;
- Diferença entre fogo e incêndio,
- Elementos essenciais da combustão;
- Triângulo do fogo e quadrado do fogo,
- Conhecer os métodos de propagação de incêndios e identificar os pontos de calor;
- Diferenciar combustão completa e incompleta;
- Identificar e diferenciar as classes de incêndio;
- Identificar os agentes extintores: Água, PQS, CO2 e Espuma;
- Operar corretamente os extintores de Água, PQS, CO2 e Espuma;
- Controlar vazamento de GLP e incêndios em botijões de GLP;
- Identificar os principais gases da combustão;
- Adotar as providências técnicas em locais confinados;
- Combater, dentro da técnica, incêndios florestais;
- Realizar operações de combate a incêndio com mangueiras, bem como manusear corretamente mangueiras e esguichos de bombeiros;
- Efetuar a enrolagem correta das mangueiras.

DIFERENÇA ENTRE FOGO E INCÊNDIO
                 
FOGO ou COMBUSTÃO: Pode ser descrito como sendo uma reação química de oxidação rápida de material sólido, líquido ou gasoso, acompanhada pelo desprendimento de duas formas de energia, luz e calor.  Trata-se de uma reação em cadeia, sob controle.
INCÊNDIO: É uma reação química em cadeia, com liberação de luz e calor, fora do controle do homem e que para ser combatido, necessita de pessoas especializadas e materiais específicos.

ELEMENTOS ESSENCIAIS DO FOGO
TRIÂNGULO DO FOGO

Para que haja combustão ou queima, é imprescindível a existência conjunta de três elementos básicos: combustível, oxigênio e calor.
O primeiro, o combustível, corresponde àquilo que vai queimar e transformar-se. Chamamos "combustível" todos os materiais passíveis de entrarem em combustão, que alimentam o fogo, e, com pequenas exceções, compreendem todos os materiais que possamos imaginar, tais como madeira, papel, tecidos, derivados de petróleo, fios e cabos, etc.
O segundo é o oxigênio, gás existente no ar que se respira, presente em nossa atmosfera em uma proporção da ordem de 21% (vinte e um por cento). É também conhecido como comburente.
Para haver combustão rica, será necessário que o oxigênio contido no ambiente esteja em uma concentração mínima de 16% (treze por cento). 


O terceiro elemento, o calor, corresponde àquele que dá a ignição, ou seja, que faz começar o fogo, é uma das formas de energia, e a maneira mais simples de notarmos sua presença é ficarmos expostos aos raios solares.
                 
Esses três elementos são denominados elementos essenciais do fogo, isso quer dizer que, se faltar qualquer um deles, não haverá fogo.
Para facilitar a compreensão, representamos os três e
lementos essenciais do fogo como sendo os lados de um triângulo equilátero, constituindo o que se chama de TRIÂNGULO DO FOGO.


ELEMENTOS DA COMBUSTÃO

COMBUSTÍVEL: é todo e qualquer material que tem a propriedade de queimar. Os  combustíveis podem ser sólidos, líquidos ou gasosos:
          Em geral os combustíveis precisam passar para o estado de vapor antes da inflamação, sendo que o grau de calor necessário para vaporizá-los varia de corpo para corpo.

1) Combustíveis sólidos: tem a propriedade de queimar em superfície e profundidade, deixando resíduos (cinzas). Exemplo: madeira, papel, tecido, etc...

2) Combustíveis líquidos: tem a propriedade de queimar em superfície, não deixando resíduos. Exemplo: gasolina, álcool, óleo diesel, etc...

3) Combustíveis gasosos: são gases ou vapores que se queimam, podem ser inodoros ou incolores. Exemplo: GLP (gás liquefeito de petróleo), butano, propano, acetileno, etc...

OXIGÊNIO (COMBURENTE): é o oxigênio do ar. Lembramos que na composição do ar que respiramos há, em média, 21% de oxigênio, sendo que é percentual suficiente para que a maioria dos materiais se inflamem. É importante frisar que toda a vez que temos a queima de um combustível teremos o consumo do comburente (oxigênio), desta forma quando tivermos um princípio de incêndio em um ambiente fechado, após determinado período, este ambiente se tornará um local de risco para a vida humana, para isto basta que o percentual atinja os 16 %; assim que o percentual de oxigênio atinja os 13%, no entanto só teremos a auto extinção do fogo quando o percentual de oxigênio for de 8% a 9%.

CALOR é uma forma de energia essencial para o surgimento e a propagação do fogo. Provoca o início do incêndio, mantendo e incentivando a sua propagação, constituindo uma das colunas mestras do fogo.
         Várias causas podem produzir calor, como por exemplo: curtos-circuitos, atritos, cigarros, superaquecimentos em motores elétricos, etc..


PONTOS DE FULGOR, COMBUSTÃO E IGNIÇÃO

PONTO DE FULGOR: É a temperatura mínima na qual os materiais combustíveis começam a desprender vapores combustíveis, que em contato com uma fonte externa de calor, se incendeiam. Afastada a fonte externa de calor, a chama cessa.

PONTO DE COMBUSTÃO: É a temperatura mínima na qual os materiais combustíveis começam a desprender vapores combustíveis, que em contato com uma fonte externa de calor, se incendeiam. Afastada a fonte externa de calor, a chama se mantém.

PONTO DE IGNIÇÃO: É a temperatura mínima na qual os materiais combustíveis começam a desprender vapores combustíveis, que em contato com o oxigênio do ar atmosférico, inicia uma combustão espontânea.
Obs: Estes pontos variam de acordo com o tipo de material e as temperaturas que eles atingirão.

PROPAGAÇÃO DO CALOR

A propagação do calor é responsável pelo início e pela rápida progressão da maioria dos incêndios. O calor é propagado por um ou por mais de um dos métodos abaixo descritos:
                 
CONDUÇÃO:

Através da condução o calor é transferido de um corpo para outro pelo contato direto ou mediante um meio intermediário sólido, líquido ou gasoso, condutor de calor.    
O volume de calor propagado pela condução depende da condutividade térmica dos materiais pelos quais o calor está passando.


RADIAÇÃO:

Pela radiação, o calor se propaga de um corpo para outro mediante os raios térmicos através de um espaço intermediário, de maneira muito similar a propagação da luz. Corresponde a transmissão do calor à distância por meio de raios ou ondas, da mesma forma pela qual recebemos o calor do sol.   O calor radiado caminha através do espaço em linha reta, até encontrar um objeto opaco, pelo qual é absorvido, prosseguindo, depois, através do objeto, por condução.  Os raios de uma fonte de calor propagam-se em todas as direções.Assim, quanto mais afastado um objeto exposto à fonte de calor, mais baixa a concentração de calor que alcança.


CONVECÇÃO

O calor de convecção pode ser propagado por um meio circulante, seja um gás, ou líquido. Assim, o calor gerado numa estufa pode ser distribuído através de uma sala por convecção, mediante o aquecimento do ar.           O calor é transferido do ar para os objetos através da condução, o ar aquecido se expande, tendendo a subir e a propagação, por convecção, ocorre naturalmente na direção para cima, embora as correntes de ar possam ser dirigidas em qualquer direção.


FORMAS DE COMBUSTÃO

As combustões podem ser classificas conforme a sua velocidade em: completa, incompleta, espontânea e explosão.
Dois elementos são preponderantes na velocidade da combustão: o comburente e o combustível; o calor entre no processo para decompor o combustível. A velocidade da combustão varia de acordo com a porcentagem do oxigênio no ambiente e as características físicas e químicas do combustível.

COMBUSTÃO COMPLETA, RÁPIDA OU QUEIMA RICA

É aquela  em que a queima produz calor e chama e se processa em ambiente rico em oxigênio, é também chamada queima rica, se processa em um ambiente com mais de 16% de O2.

COMBUSTÃO INCOMPLETA, LENTA OU QUEIMA POBRE

É aquela  em que a queima produz calor e pouca ou nenhuma chama e se processa em ambiente pobre em oxigênio, é também chamada queima pobre, se processa em um ambiente com menos  de 16% de O2.

COMBUSTÃO ESPONTÂNEA

É a que ocorre, por exemplo, quando do armazenamento de certos vegetais que, pela ação de bactérias, fermentam. A fermentação produz calor e libera gases que podem incendiar. Alguns materiais entram em combustão sem fonte externa de calor (materiais com baixo ponto de ignição): outros entram em combustão à temperatura ambiente, como o fósforo branco. Ocorre também na mistura de determinadas substâncias químicas, quando a combinação gera calor e libara gases em quantidade suficiente para iniciarem a combustão.
EXPLOSÃO

É a queima de gases (ou partículas sólidas) em altíssima velocidade, em locais confinados, com grande liberação de energia e deslocamento de ar. Combustíveis líquidos, acima da temperatura de fulgor, liberam gases que podem explodir (num ambiente de calor).

CLASSES DE INCÊNDIO

O conceito de incêndio está implícito no conceito de acidente e podemos defini-lo como um acontecimento inesperado ou imprevisível, envolvendo a queima de bens e/ou pessoas. O princípio de incêndio, correspondente ao fogo que está ao controle humano, pode ser extinto através de extintores de incêndio.
Cada corpo combustível entra em combustão com características próprias.
Para facilitar os estudos de prevenção e combate a incêndios, adota-se a existência de cinco classes gerais de incêndio, a saber:


INCÊNDIOS DA CLASSE "A“

Compreendem os incêndios em corpos combustíveis comuns, do tipo papel, madeira, fibras, tecidos, etc., que, quando queimam, deixam resíduos, cinzas ou brasas, e queimam em função do seu volume, isto é, queimam em superfície e profundidade, onde o efeito de "resfriamento" pela água ou por soluções contendo muita água é de primordial importância. 









INCÊNDIOS DA CLASSE "B“

São verificados em combustíveis do tipo líquidos inflamáveis como gasolina, óleo, tintas, etc., os quais quando queimam não deixam resíduos e queimam unicamente em razão da sua superfície, onde o efeito de "abafamento" é essencial, ou então, que o agente extintor interfira com a reação química em cadeia de combustão. 


INCÊNDIOS DA CLASSE "C“

São os incêndios em equipamentos elétricos "energizados", tais como motores, transformadores, chaves, etc., onde a extinção pode ser realizada com agente não condutor de eletricidade, de forma a evitar-se o risco de choque elétrico nas pessoas que o combatem; os agentes indicados fazem a extinção pelo efeito de "abafamento".

INCÊNDIOS DA CLASSE “D“

São os incêndios em metais combustíveis (ligas metálicas pirofóricas), como magnésio, zinco, titânio, zircônio, sódio, potássio e outros, que exigem agentes extintores que proporcionem ótima cobertura e lençol de abafamento; quando em contato com o metal em combustão, fundem-se formando uma película abafadora. 

INCÊNDIOS DA CLASSE “K“

Fogos envolvendo materiais líquidos e sólidos como óleos e gorduras de substâncias comestíveis tendo como exemplo de ambiente as cozinhas industriais.


AGENTES EXTINTORES

Os principais agentes de combate ao fogo são a água, espumas, pós químicos à base de bicarbonato de sódio e gás carbônico.

ÁGUA

A água é o agente extintor mais comum e tem sido utilizada, há séculos, por suas propriedades de resfriamento, abafamento e emulsionamento.
Sua utilização pode se dar de varias formas, mas suas aplicações básicas são: jato sólido, neblina e vapor.

       Jato sólido: sob essa forma, com ação de resfriamento, a água é própria para ser utilizada em incêndios da classe A. Não deve ser utilizada na classe B pois, além de espalhar o líquido inflamável, por ser mais densa que o combustível, deposita-se no fundo do combustível líquido, podendo fazer transbordar o recipiente. Nunca deve ser usada em incêndios da classe C, pois a água é condutora de eletricidade, oferecendo grande risco ao operador.

       Neblina: conseguida através de esguichos especiais, pulverizadores e dispositivos similares, constitui uma maneira eficaz e convencional de combater incêndios. Em determinadas situações é necessário que se aplique a água com o máximo poder de resfriamento.

       Vapor: extingue o fogo por resfriamento por absorver grande quantidade de calor rapidamente e, abafamento, através da exclusão do ar ou redução de oxigênio do ar atmosférico, de maneira semelhante å do gás carbônico ou outros gases inertes. Pode ser utilizado, com vantagens, no controle a incêndios em equipamentos que contenham líquidos inflamáveis ou combustíveis que trabalhem sob altas temperaturas.

       ESPUMA MECÂNICA

       Para formar a espuma mecânica são necessários a água, o ar atmosférico e o extrato (de origem sintética) que, ao se agregarem, formam um dos mais eficazes agentes extintores.          Este extintor age, na classe A, pelo método de resfriamento e, na classe B, por abafamento. É importante ressaltar que pode ser normalmente utilizado em produtos como álcool, éter, acetona e outros derivados de petróleo.

       CO2

       É formado por um cilindro de aço sem costura, que acondiciona dióxido de carbono ou gás carbônico (CO2) em seu interior. O CO2 é material isolante, que atua sobre o fogo pela exclusão do oxigênio, tendo também uma pequena ação de resfriamento.

       GÁS HALON

       O halon é um gás liquefeito (a temperatura ambiente), resultado da combinação química de alguns elementos halogenados (cloro, flúor, e iodo). Por possuir baixo teor de toxicidade, ele não traz problemas ao operador, tendo ainda alta capacidade extintora e grande estabilidade.
       * Obs: é importante ressaltar, que por questões ambientais, o tratado de Montreal restringe o uso deste agente, por Agredir a camada de ozônio.

COMBATE AO FOGO EM SEU INICIO

A não ser em grandes explosões, o fogo sempre começa pequeno. Portanto, com calma e conhecimento do assunto, poderão ser evitadas grandes catástrofes e a perda de muitas vidas.
Para isso, é de fundamental importância que se formem brigadas de prevenção e combate a princípios de incêndios, com a função de:
          combater os princípios de incêndios;
          orientar os demais trabalhadores da empresa em casos de emergência;
       manter em bom estado de uso os equipamentos de combate a incêndios, por meio de fiscalização periódica.

       MÉTODOS DE EXTINÇÃO DO FOGO

       Conhecido o triângulo do fogo, podemos concluir que a continuidade da combustão depende da permanente existência dos três elementos essenciais: oxigênio, combustível e calor. Portanto, os métodos de extinção, que se baseiam neste conceito, admitem quatro possibilidades:

       EXTINÇÃO PELA RETIRADA DO MATERIAL

       Consiste na retirada, diminuição ou interrupção, com suficiente margem de segurança, do campo de propagação do fogo, do material ainda não atingido pelo incêndio. 


EXTINÇÃO POR RESFRIAMENTO

       Consiste na retirada de calor do material em combustão até um ponto determinado, abaixo do qual ele não queima ou não emite vapores necessários à combustão.            Corresponde a queda da temperatura do material em queima para uma faixa abaixo de seu ponto de combustão, que é a temperatura mínima em que um combustível em contato com uma chama ou centelha se inflama, havendo sustentação. 


EXTINÇÃO POR ABAFAMENTO

   Consiste na eliminação ou redução do oxigênio nas proximidades imediatas do combustível incendiado, ou seja, no isolamento do combustível do oxigênio do ar. O fogo se extinguirá por abafamento assim que o percentual de oxigênio baixe a menos de 13% (treze por cento).







Um comentário:

  1. OLA, TUDO BEM?
    ESTIVE VENDO O SEU BLOG, E GOSTEI BASTANTE DO QUE VC VEM POSTADO.
    FAÇO CURSO NO SENAC TAMBÉM SENDO QUE E AQUI NO RJ.
    ESPERO QUE VC CONTINUE POIS É BEM LEGAL E ESTA ME AJUDADO BASTANTE, PRA ESTUDO.

    OK, ABRAÇOS.

    ResponderExcluir